21 de outubro de 2013

Fontes de Energias: Renováveis e Não Renováveis


  • Energias renováveis:

A energia renovável é aquela provida de fontes capazes de se regenerar por meios naturais, portanto, são considerados inesgotáveis. Também é conhecida por energia limpa, pois durante o processo de produção de energia é gerado nenhum, ou poucos, resíduos poluentes.

·           Solar

Existem duas formas de transformar a radiação solar em energia: através de painéis fotovoltaicos, que convertem a energia luminosa em elétrica; e através de coletores solares, que utilizam o calor solar na produção de energia térmica, isto é, aquecer água e ar.

O sol é a fonte de vida e origem da maioria das outras formas de energia na Terra. A cada ano a radiação solar trazida para a terra leva energia equivalente a vários milhares de vezes a quantidade de energia consumida pela humanidade.

Maiores produtores:
 Japão e EUA.

PRÓS:
 Fonte inesgotável de energia; equipamentos de baixa manutenção; abastece locais aonde a rede elétrica comum não chega. A energia solar permite a geração de energia, no mesmo local de consumo, através da integração da arquitetura. Assim, é possível levar energia elétrica a sistemas de geração distribuída, e quase eliminar completamente as perdas ligadas aos transportes, que representam atualmente cerca de 40% do total.

CONTRAS:
 produção interrompida à noite e diminuída em dias de chuva, neve ou em locais com poucas horas de sol.

Curiosidade: 
Existem aproximadamente 150 mil sistemas domésticos de energia solar no Quênia, mais de 100 mil na China, 60 mil na Indonésia e mais de 300 mil lanternas solares na Índia.


Considerada mais limpa entre as renováveis, a energia eólica é obtida através da ação do vento em cata-ventos, que ao serem acionados produzem corrente elétrica. A energia eólica tem sido utilizada desde a Antiguidade para mover os barcos movidos por velas ou operação de máquinas para movimentação das suas fábricas de pás.
Maiores produtores: Alemanha, Espanha e EUA.
PRÓS: fonte inesgotável de energia; abastece locais aonde a rede elétrica comum não chega.


CONTRAS: poluição visual (um parque eólico pode ter centenas de cata-ventos) e, às vezes, sonora (alguns cata-ventos são muito barulhentos); morte de pássaros (que, muitas vezes, se chocam com as pás dos cata-ventos).


Curiosidades: 
- Na China, a capacidade de geração de energia através do vento dobrou em 2002.
 
- Desde o início dos anos 70, o governo dinamarquês apóia o desenvolvimento e a implementação de uma forte indústria de energia eólica, especialmente através de abatimentos em impostos e investimentos públicos. Na Dinamarca, existem mais pessoas trabalhando na indústria de energia eólica do que na pesca.
 
- Na Mongólia, geradores portáteis de energia eólica são bastante usados por povos nômades em lâmpadas, rádios e outros aparelhos elétricos.

A energia hidráulica ou hídrica é obtida a partir da energia potencial de uma massa de água. O fluxo de água através de um desnível ou queda d’água passa por uma turbina que gera energia mecânica, que por sua vez pode ser utilizado no acionamento de um equipamento industrial ou um gerador elétrico, com a finalidade de prover energia elétrica. A utilização deste tipo de energia pela humanidade é muito antiga através da moagem de cereais.

Maiores produtores: EUA e Canadá.
PRÓS: não produz poluentes durante o processo, criação de novos habitats para espécies aquáticas e aumento de atividades como pesca e turismo.

CONTRAS: grandes hidrelétricas podem causar enormes impactos ambientais e sociais como o deslocamento de populações e a alteração da dinâmica dos rios. Uma alternativa menos agressiva é a construção de diversas usinas hidrelétricas de pequena escala que utilizam o fluxo natural das águas dos rios para gerar eletricidade.


Curiosidades: 
- Mais de 100 mil famílias no Vietnã usam pequenas turbinas de água para gerar eletricidade.
 
- Mais de 45 mil pequenos projetos de pequenas hidroelétricas estão sendo usados na China, gerando energia para mais de 50 milhões de pessoas.

Qualquer matéria orgânica que possa ser transformada em energia mecânica, térmica ou elétrica é classificada como biomassa. Existem diversas formas de transformar a biomassa em energia, os principais processos são:

Combustão direta: queima de biomassa para a geração de vapor (energia calorífica) que pode ser utilizada no acionamento de turbinas (energia mecânica), que podem ser utilizadas na geração de energia elétrica





Gaseificação: por meio de reações termoquímicas que envolvem vapor quente e oxigênio, é possível transformar o combustível sólido em gás (mistura de monóxido de carbono, hidrogênio, metano, dióxido de carbono e nitrogênio). Este gás pode ser utilizado em motores de combustão interna e em turbinas para geração de eletricidade.
Digestão anaeróbica: consiste na decomposição do material pela ação de bactérias e ocorre na ausência do ar. O produto final é o biogás, composto basicamente de metano (CH4) e dióxido de carbono (CO2).
Fermentação: processo pelo qual os açúcares de plantas como batata, milho, beterraba e cana-de-açúcar são convertidos em álcool pela ação de microorganismos (geralmente leveduras). O produto final é o etanol na forma de álcool hidratado e, em menor escala o álcool anidro (isto é, com menos de 1% de água). Se o primeiro é usado como combustível puro em motores de combustão interna, o segundo é misturado à gasolina (no Brasil, na proporção de 20% a 22%). O resíduo sólido do processo de fermentação pode ser utilizado em usinas termelétricas para a produção de eletricidade através da combustão direta.
Transesterificação: é a reação de óleos vegetais com um produto intermediário ativo obtido pela reação entre metanol ou etanol e uma base (hidróxido de sódio ou de potássio). Os derivados são a glicerina e o biodiesel. Atualmente, o biodiesel é produzido no Brasil a partir da palma e babaçu (região Norte), soja, girassol e amendoim (regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste) e mamona e dendê (semi-árido nordestino), entre outras matérias-primas de origem vegetal.
• BIOGÁS

PRÓS: substitui diretamente o petróleo; dá um fim ecológico ao lixo orgânico; gera fertilizante; os produtores rurais podem produzir e até vender o gás, em vez de pagar por ele.

CONTRA: o gás é difícil de ser armazenado.

•BICOMBUSTÍVEIS

PRÓS: substitui diretamente o petróleo; os vegetais usados na fabricação absorvem CO2 em sua fase de crescimento; o álcool tem eficiência equivalente à da gasolina como combustível para automóveis, e produz quase três vezes menos emissões nocivas a camada de ozônio

CONTRA: produção da matéria-prima ocupa terras destinadas a plantio de alimentos. O uso em larga escala na geração de energia da biomassa esbarra nos limites da sazonalidade. A produção de energia cai no período de entressafra. Geralmente está associada a explorações agrícolas intensivas (que utilizam fertilizantes e pesticidas muito poluentes em grande quantidade) e ao desmatamento de grandes áreas.


energia geotérmica é resultado do aproveitamento da energia do interior da terra, como as águas quentes e vapores de vulcões e fontes terminais, na produção de energia térmica e elétrica. Em algumas partes do mundo as águas subterrâneas podem atingir altas temperaturas que impulsionam turbinas de eletricidade e aquecimento.

PRÓS:
 não existe emissão de gases poluentes e os custos são mais estáveis que os de outras fontes alternativas.

CONTRA:
 é restrito a algumas regiões; produz gases liberados na atmosfera que são em sua maioria sulforosos de odor desagradável, corrosivos e nocivos a saúde.

Curiosidades:
 
A primeira usina de eletricidade baseada em energia geotérmica foi a de Laderello na Itália, construída em 1913, acionando um gerador de 250Kw tendo sido posteriormente ampliada passando a gerar 400Mw elétricos. Nesta usina a energia geotérmica é captada de uma profundidade de 1000 pés (987,5m), e o vapor gerado se encontra a uma temperatura de 240°C.


A energia dos mares é a energia que se obtém a partir do movimento das ondas, a das marés ou da diferença de temperatura entre os níveis da água do mar. Ocorre devido à força gravitacional entre a Lua, a Terra e o Sol, que causam as marés, ou seja, a diferença de altura média dos mares de acordo com a posição relativa entre estes três astros.

Esta diferença de altura pode ser explorada em locais estratégicos como os golfos, baías e estuários que utilizam turbinas hidráulicas na circulação natural da água, junto com os mecanismos de canalização e de depósito, para avançar sobre um eixo. Através da sua ligação a um alternador, o sistema pode ser usado para a geração de eletricidade, transformando, assim, a energia das marés, em energia elétrica, uma energia mais útil e aproveitável.

Maiores produtores:
 Não existe tecnologia para exploração comercial, pois a baixa quantidade de energia obtida e os altos custos impediram. Franca, Inglaterra e Japão são os pioneiros na produção.

PRÓS:
 fonte de energia abundante capaz de abastecer milhares de cidades costeiras.

CONTRAS:
 a diferença de nível das marés ao longo do dia deve ser de ao menos 5 metros; produção irregular devido ao ciclo da maré, que dura doze horas e meia.

  • Energias não-renováveis
A energia não-renovável são recursos naturais que, quando utilizados, não podem ser repostos pela ação humana ou pela natureza, a um prazo útil. Tanto os combustíveis fósseis como os nucleares são considerados não renováveis, pois a capacidade de renovação é muito reduzida comparada com a utilização que deles fazemos. As reservas destas fontes energéticas irão ser esgotadas, ao contrário das energias renováveis.



Atualmente a maior fonte de energia utilizada, o petróleo é um combustível fóssil, produzido há milhões de anos pela pressão de material orgânico e encontrado em algumas zonas do subsolo da Terra. O petróleo e gás natural são encontrados tanto em terra quanto no mar, principalmente nas bacias sedimentares (onde se encontram meios mais porosos - reservatórios), mas também em rochas do embasamento cristalino. É de fácil transporte, porém gera grandes impactos ao meio-ambiente, pois libera grande quantidade de CO2 na atmosfera.







É encontrado, geralmente, junto das reservas petrolíferas. É o mais barato e menos poluente dos combustíveis fósseis, mas de mais difícil extração. Utilizado principalmente pelas indústrias e automóveis, além de casas como gás de cozinha.








É uma das fontes de energia mais abundante, mas também uma das mais poluentes, não apenas pela emissão de gases, mas também pela degradação resultante de sua exploração. Nas indústrias é amplamente utilizado como combustível principal.







Um quilo de urânio é capaz de produzir tanta energia como um milhão de quilos de carvão. Seu uso é bastante perigoso e complicado, e os casos de acidentes e vazão de materiais radioativos trouxeram grandes impactos sociais e ambientais, como o famoso caso Chernobyl. Não existe um modo de tratamento ou isolamento eficiente para os dejetos resultantes do processo final da produção de energia, atualmente são estocados e não existe previsão para que deixem de ser radioativos e perigosos.

1 comentários:

LeO Bacano disse...

Mt Bom!!!!Otimas explicações!!!

24 de outubro de 2013 14:29

Postar um comentário