2 de setembro de 2010

Expansão Chinesa sobre territórios da Rússia




Expansão chinesa preocupa população e classe política da Rússia


Por Ignacio Ortega Moscou, 4 jul (EFE).- A visita à Rússia do presidente da China, Hu Jintao, não dissipou os temores entre a população e a classe política sobre a expansão econômica, demográfica e territorial da China na Sibéria e no restante do território russo.

"A expansão chinesa irá crescer, já que o Governo carece de uma política definida em relação à Sibéria e ao Extremo Oriente russo", assegurou recentemente o governador da província de Khabarovsk, que faz fronteira com a China.

Devido às duras condições de vida, mais de um milhão de russos abandonaram na última década o Extremo Oriente do país, povoado agora por 6 milhões de pessoas, enquanto centenas de milhares de chineses cruzam a cada ano a fronteira para trabalhar, comprar ou descansar em território russo.

"A expansão silenciosa é real. É mão-de-obra barata. São operários, cozinheiros e camponeses que fazem os trabalhos que os russos desprezam. Se a Rússia não se conscientizar, a China fincará raízes na Sibéria", advertiu o deputado Boris Reznik ao jornal Izvestia.

Atualmente, menos de 20 milhões de pessoas vivem nos 15 milhões de quilômetros quadrados que separam a Cordilheira dos Urais do Oceano Pacífico, território que abriga 75% dos recursos naturais da Rússia.

A "ameaça amarela", como é classificada a expansão demográfica chinesa na Rússia, provocou mal-estar entre a população local, que teme a futura anexação do território - parte da China até 1860 - por Pequim.

A impermeável fronteira russa se abriu aos trabalhadores chineses em 1988. Nessa época, não se exigia visto para atravessar a fronteira. Mas o fluxo em massa de imigrantes começou mesmo com a desintegração da URSS em 1991.

Segundo o professor da Escola Superior de Economia da Rússia, Fiodor Shelov-Kovediayev, esta ameaça não afeta só a Rússia, já que a "China está disposta a dominar todo o mundo rapidamente".

"Os emigrantes chineses estão presentes em todos os países e só são leais a Pequim. Cedo ou tarde teremos que detê-los", opina.

Para os críticos, outro dos marcos da expansão chinesa foi o acordo adicional ratificado no mês passado pela Duma russa e que permitirá à China a construção de um porto fluvial, um objetivo perseguido por Pequim há várias décadas.

A fronteira que separa o Extremo Oriente russo do cinturão industrial do nordeste chinês foi cenário de uma guerra fronteiriça em 1969, na qual o Exército soviético humilhou o Exército Popular de Libertação.

Segundo os mais pessimistas, a crescente demanda do gigante asiático por energia, água e madeira torna "inevitável" a invasão chinesa.

A Sibéria abriga 80% do petróleo e do carvão, 85% do gás natural e 40% da madeira russas, enquanto o Lago Baikal acolhe um quinto das reservas de água doce do mundo.

Descartada a opção militar, os especialistas apontam como estratégia a implementação de uma política de "assimilação gradual", que se cimentaria em incentivar a emigração.

Outra opção seria a prospecção de recursos naturais na Sibéria com a conivência da Rússia, como ocorreu já no mar do Sul da China com o Japão, com o envio de equipes de geólogos, engenheiros e pessoal militar em missões secretas.

Contudo, o mais provável é que surja uma associação estratégica entre Moscou e Pequim em matéria de energia e infra-estrutura, para a construção de oleodutos, vias férreas e estradas.

As autoridades da região de Amur, na fronteira com a China, anunciaram recentemente que empresários chineses se ofereceram para cultivar mais de um milhão de hectares, explorar as jazidas minerais locais e construir uma central elétrica, uma fábrica de celulose e uma via férrea.

Na Rússia européia, a China também irrompeu com força com a implementação de uma rodovia entre Moscou e São Petersburgo e a construção na capital dos czares de uma Chinatown com um investimento de US$ 1,25 bilhão.

O fator demográfico também é considerável, haja vista que, mantendo-se as atuais taxas de natalidade, a Rússia terá pouco mais de 100 milhões de habitantes em 2050, ao passo que a população chinesa será de cerca de 1,6 bilhão.

Seja como for, segundo os especialistas, nas próximas décadas, a China se manterá à espreita, observando o que acontece na Rússia em meio a sua instabilidade política e crise econômica.

A população da Rússia: informações básicas

De acordo com o Serviço de Estatística Nacional (Rosstat), a população permanente da Rússia em 1º de Abril de 2010 ascenderam a 141.914.500 pessoas, e desde o início do ano diminuiu em 41,7 mil, ou seja, 0,03%; já na data relevante de 2009 foi de 50,4 mil, ou seja, 0,04%.
O declínio da população ocorreu por causa da perda de população natural, que no período de Janeiro a Abril de 2010 diminuiu em relação ao período correspondente de 2009, para 24,2 mil pessoas. A perda numérica da população é compensada pelo crescimento da migração nos 61,2%.
Hoje, a Rússia possui um despovoamento contínuo (diminuição) na população. O crescimento populacional no país estagnou desde 1991 (a taxa de natalidade no RSFSR tinha caído abaixo da taxa de substituição de volta em 1960). A mortalidade na Rússia é 1,5 vezes superior à taxa de natalidade e a população é reduzida por várias centenas de milhares de pessoas anualmente.
O aspecto negativo da Rússia foi fato que, como resultado da transição demográfica, a fertilidade caiu para o nível de países desenvolvidos, enquanto a mortalidade atingiu o nível de países em desenvolvimento.
Segundo alguns demógrafos, houve declínio de mortalidade como resultado do desenvolvimento da saúde em 1.960 anos, a mortalidade crescente foi compensada com o álcool. O álcool mata na Rússia de 600 a 700 mil pessoas por ano, e está associada com alto nível do consumo legal e ilegal de álcool no mundo (18 litros de álcool per capita por ano). Esta visão não é incompatível com a visão de alguns demógrafos, outros que acreditam que a alta taxa de mortalidade está associada com a incompletude dos processos de modernização da Rússia, incluindo o aspecto sociocultural. Em particular, os cuidados com sua saúde não é um valor alto para os russos na mentalidade de uma parte substancial da população, que determina o grau de abuso de álcool, as mortes por acidentes (inclusive acidentes nas estradas) incidência, de doenças anormais determinadas, etc.
O despovoamento da Rússia é condicionado por várias imigrações, principalmente russo étnico e russo dos países da CEI (Casaquistão, Ásia Central e a Transcáucaso). A Rússia foi incapaz de tirar pleno partido das condições favoráveis do mercado e o desejo dos compatriotas é voltar para a Rússia (em grande parte devido à política de imigração rígida).
Estima-se que a população da Rússia em 2050 será 83-115 milhões de pessoas. Em particular, o programa de médio prazo do desenvolvimento socioeconômico, elaborado pelo Ministério de Desenvolvimento Econômico, afirmou que as atuais taxas de migração em 2025 o número de russos vão cair para cerca de 120 milhões de pessoas e em 2050 de até 100 milhões. Previsão das Nações Unidas é de 115 milhões de pessoas, do Instituto de Investigação Sócio-Político é de 83 milhões de pessoas.
Na Rússia nascem 3 pessoas a cada minuto, e morrem 4 pessoas. A tendência mundial é o oposto: a relação entre o número de nascimentos e as mortes é igual a 2,6. Especialmente elevada à taxa de mortalidade entre os homens russos, cuja expectativa de vida média é de 61,4 anos, devido, especificamente, com alto consumo de bebidas alcoólicas fortes, um grande número de acidentes, homicídios e suicídios. Já a expectativa de vida das mulheres é muito maior, que é de 73,9 anos. A taxa de natalidade na Rússia não é a reprodução da população.
As principais ameaças à vida na Rússia
• O fraco desenvolvimento da medicina na Rússia, especialmente no diagnóstico de doenças cardiovasculares e câncer, devido ao fato de que as agências não foram criadas pelas autoridades públicas no período soviético e pós-soviético, enquanto a demanda para esses serviços de saúde é limitada pela população de baixa renda.
• Bebidas alcoólicas. Todo ano na Rússia morrem cerca de 40 mil pessoas por envenenamento de álcool. No entanto, a principal contribuição do álcool não faz a mortalidade por intoxicação, e na doença cardiovascular e da mortalidade por causas externas. Essa conta não está já na ordem das centenas e milhares, e muitas centenas de milhares de mortes prematuras dos russos.
• O nível de violência na sociedade. A Rússia está entre os cinco "líderes" do número de homicídios por 100 mil habitantes. Níveis particularmente altos de violência doméstica.
• Tráfego de acidentes rodoviários. Em estradas russas são perdidos todos os anos cerca de 35 mil pessoas.
• Piores condições ambientais na Rússia. As emissões de resíduos industriais e emissões de veículos aumentam o risco de câncer e doenças respiratórias.
• Cerca de 30-40 mil pessoas na Rússia, todos os anos desaparecem. A maioria deles é morta.
• Impopularidade do estilo de vida saudável entre os russos.
Na Rússia, os casos mais freqüentes das doenças infecciosas "social”, são especialmente a sífilis e a tuberculose. A tuberculose é especialmente prevalente nas prisões russas, isto é particularmente perigosa forma de tuberculose que é resistente aos antibióticos.
Como a esperança de vida a Rússia está muito atrás dos países desenvolvidos, tendo tomado em 1999 entre 162 países para os quais este valor foi calculado, 100º lugar (109º lugar para homens e 74º lugar para as mulheres).
A Rússia é dominada por pequenas famílias de grandes famílias. Aumentando o número de famílias russas são orientados para uma criança com um adiamento de seu nascimento. Há um aumento da proporção de crianças nascidas fora do casamento. Em 1994, foram 19,6% e em 2005 - já foi de 32,7% do número total de recém-nascidos.
A Rússia está em segundo lugar (após E.U.A.) no número de imigrantes legais e ilegais que vivem no país. De acordo com especialistas da ONU, na Rússia, eles são mais de 9% da população. Em 2007, o número de imigrantes legais que chegaram à Rússia acabou por seis vezes maiores que o número de emigrantes.
Entre a ameaça demográfica para a segurança da Rússia foi mencionada a possibilidade de "expansão silenciosa" da populosa China no que diz respeito ao Extremo Oriente, com a conseqüente exclusão do território. Mas, segundo os demógrafos profissionais na Rússia o Extremo Oriente, há entre 30 mil-200 mil chineses, o que é insuficiente para a "expansão demográfica”.

0 comentários:

Postar um comentário